segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Terceira idade, um desafio para o sec. XXI

A convite da produção do programa televisivo "Uns e Outros" da RTP Madeira, tive o privilégio de participar no painel de debate, cujo tema da edição do programa do passado dia 20 de Fevereiro, foi "Terceira idade, a nova oportunidade". Aceitei tal desafio enquanto Animador Sociocultural, e porque entendo que é preciso discutir estes temas, com especial enfoque para o foro social à luz da multidisciplinariedade.

Da discussão que se gerou em torno do tema e das ideias que me parecem mais significativas reter e trabalhar desde a perspectiva da Animação Sociocultural, é um novo conceito pouco desenvolvido do ponto de vista prático, o envelhecimento activo.

O envelhecimento activo encontra aplicação nos indivíduos ou grupos populacionais e permite que as pessoas tomem consciência do seu potencial para o bem-estar físico e mental ao longo da vida, incluindo a participação activa dos seniores nas questões económicas, culturais, espirituais, cívicas e na definição das políticas sociais.

Uma outra ideia que foi veiculada prende-se com o projecto das Universidades Seniores com os seus programas de educação não formal que têm amealhado benefícios sociais em prol da pessoa idosa. A metodologia das Universidades ou Academias Seniores baseia-se na motivação, utilizando técnicas activas de uma pedagogia centrada na Animação Sociocultural. O trabalho em parceria ao nível da concretização dos projectos para a terceira idade devem envolver uma rede de instituições que no território local têm responsabilidades sociais, nomeadamente, as autarquias locais, a escola, as associações culturais e recreativas, entre outras que poderão associar-se ao desenvolvimento da ideia do envelhecimento activo.

Por fim, salientar o consenso acerca da necessidade das instituições sociais de apoio directo à terceira idade terem nos seus quadros agentes sociais (Animadores Socioculturais, Educadores Sociais/Seniores) que no desenvolvimento de um trabalho multidisciplinar procurem a transformação social da realidade da pessoa sénior.

1 comentário:

helena disse...

olá viva. Sou uma recente animadora sociocultural e estou prestes a trabalhar num centro de dia. os idosos deste centro são um pouco limitados tanto fisicamente como já sofrem de doenças prórias da idade relativas á insanidade mental.tenho muitas dificuldades em saber o que fazer com eles,como também tenho muita pena que até sejam um pouco descriminados pela própria situação.Existe muitas depressões profundas nestes utentes.Gostaria de ideias para poder aplicar nestas situações. obrigada e um bem-haja para todos.