quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Oferta de emprego: «Animador SocioCultural com experiência»

Há uma linha muito ténue que separa a leviandade da escrita da realidade factual. Isto a propósito de um anúncio on-line de oferta de emprego para «Animador SocioCultural com experiência», referência # 1934568, divulgado no portal net-emprego, no dia 26 de fevereiro de 2014.

Uma instituição social pretende contratar uma animadora sociocultural com experiência para exercer funções na valência de centro de dia com idosos. O insólito desta oferta de emprego, e sublinho insólito, entre os vários requisitos é a exigência a que a(s) candidata(s) ao posto de trabalho tenha(m) «conhecimentos em cozinha».

É de capital importância para a salvaguarda do bom nome da instituição e da sua direção técnica, que haja o bom senso nesta matéria, no sentido, de esclarecer cabalmente, sobre a oferta de emprego. É pretendido recrutar um ajudante de cozinha ou um animador sociocultural? Estamos a falar de duas profissões muito distintas: o ajudante de cozinha trabalha numa cozinha em redor de tachos; e o animador sociocultural trabalha numa relação social e educativa com pessoas.

Repudio a forma grosseira com que os agentes sociais, em concreto, os animadores socioculturais são considerados por algumas instituições, quando a legislação em vigor define os parâmetros técnicos e os recursos humanos necessários ao bom funcionamento das instituições sociais, nomeadamente, os centros de dia.

É lamentável que a direção técnica da instituição tenha cometido um erro grosseiro e de uma atrocidade social e de classe para com os agentes sociais, digna de um atestado de incompetência. É lamentável que a direção do centro social desconheça o trabalho que o animador sociocultural desenvolve com a população sénior.

Assumo a minha ignorância sobre um dos requisitos para exercer funções de animador sociocultural numa instituição de acolhimento de seniores: o domínio da arte da culinária. Talvez seja exigível, apenas em alguns cérebros mais acutilantes.

5 comentários:

vera disse...

Também sou animadora sociocultural e muitas vezes fico arrepiada ao ler e ver propostas de emprego para esta area. Ainda hoje não percebo o que é um ajudante de animador. Nem a relação com palhaço nem pouco mais ou menos com trabalhos nocturnos.há ainda um longo caminho a percorrer para elevar o verdadeiro trabalho em animação.um bem haja.

vera disse...

Também sou animadora sociocultural e muitas vezes fico arrepiada ao ler e ver propostas de emprego para esta area. Ainda hoje não percebo o que é um ajudante de animador. Nem a relação com palhaço nem pouco mais ou menos com trabalhos nocturnos.há ainda um longo caminho a percorrer para elevar o verdadeiro trabalho em animação.um bem haja.

Fábrica do Nada disse...

Ainda nos falta um longo caminho a percorrer para o reconhecimento da Profissão: Animador Sociocultural!

Fábrica do Nada disse...

Ainda nos falta percorrer um longo caminho para o reconhecimento da Profissão: Animador Sociocultural!

Albino Viveiros disse...

É urgente o reconhecimento de um percurso crescente na afirmação e dignificação do trabalho dos animadores socioculturais.

Há limitações naturais, mas há outras que podem ser suprimidas com a dignificação da identidade coletiva dos animadores.